Porção Literária #28 – O Ceifador

Olá leitores do Sala Literária! Essa semana a resenha de destaque aqui no blog foi o livro O Ceifador e como comentei no post, há muitos momentos interessantes. Para complementar a resenha, trouxe alguns quotes do livro, e tenho certeza de que vocês vão adorar!

 

ResenhaSkoob | Companhia das Letras | Amazon | Submarino | Americanas | Livraria da Folha | Livraria Cultura

 

 

As Porções

 

“E, a meu ver, todos são inocentes. Mesmo os culpados. Todo mundo é culpado de alguma coisa e todo mundo ainda guarda uma memória da inocência da infância, não importa quantas camadas de vida a cubram. A humanidade é inocente; a humanidade é culpada; ambas as afirmações são inegavelmente verdadeiras.”

 

“O trabalho do ceifador é igual. Desde que têm idade suficiente para entender, todas as crianças aprendem que os ceifadores prestam um serviço crucial à sociedade. A nossa missão é, no mundo moderno, o que mais se aproxima de uma missão sagrada. “

 

” — Justo. — O ceifador se virou para ir embora, mas hesitou antes de abrir a porta. — Saiba que você não receberá nenhum agradecimento de ninguém, além de mim, pelo que fez aqui hoje — ele disse. — Mas lembre-se de que as boas intenções pavimentam muitas estradas. E nem todas levam ao inferno.”

 

“2042 é o ano em que vencemos a morte e também quando paramos de contar. Claro, ainda numeramos os anos por mais algumas décadas, mas, assim que a imortalidade foi alcançada, a passagem do tempo perdeu a importância.”

 

“Nos tempos em que a rede digital era chamada de “nuvem”, as pessoas pensavam que dar muito poder a uma inteligência artificial seria uma má ideia. Narrativas de alerta estavam em todas as mídias. As máquinas eram sempre inimigas. Mas então a nuvem evoluiu para a Nimbo-Cúmulo e ganhou consciência — ou, pelo menos, algo muito próximo de consciência. Ao contrário do que se temia, a Nimbo-Cúmulo não tomou o poder. Em vez disso, as pessoas passaram a perceber que ela era muito mais competente do que os políticos para gerenciar as coisas.”

 

“Ao ser um ceifador, ele explicara, era necessário ser bem versado em todos os métodos. Citra se deu conta de que, para ser “bem versada”, teria de participar de diversos tipos de coleta. Será que ele pediria para ela puxar o gatilho? Enfiar a faca? Acertar o golpe? Ela queria acreditar não ser capaz disso. Queria desesperadamente acreditar que não tinha talento para ser uma ceifadora. Era a primeira vez na vida em que torcia para não ser boa o suficiente.”

 

“Os ceifadores devem ter uma compreensão profunda sobre a morte, mas existem certas coisas que estão além até mesmo de nossa compreensão.”

 

” — Cada ceifador tem seu método. Esse é o meu. Na Era da Mortalidade, a morte muitas vezes chegava sem aviso. É nossa tarefa imitar aquilo que tiramos das mãos da natureza; então, essa é a face da morte que decidi recriar. Minhas coletas são sempre instantâneas e públicas, para que as pessoas não esqueçam aquilo que fazemos e por que precisamos fazer. “

 

“Já vi descuidos humanos que resultaram em mutilações temporárias ou mortes momentâneas. As pessoas caem em bueiros, são atingidas por objetos, ficam no caminho de veículos em alta velocidade. E, quando isso acontece, as pessoas riem, porque, por mais horrendo que seja o acontecimento, essa pessoa, assim como o coiote, estará de volta em breve, novinha em folha, nas mesmas condições — sem estar mais prudente — mesmo após o estrago.”

 

Espero que tenham gostado dos quotes.

Nos vemos no próximo post!

 

Escrito por: Taísa Ferreira

© 2017, www.salaliteraria.com.br. Todos os direitos reservados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *