J.K. Rowling começa a divulgar os contos da História da Magia na América do Norte



Pottermore: Magic in North AmericaThe wizarding world is much larger than you imagined. Learn more about J.K. Rowling’s #MagicInNorthAmerica now. #FantasticBeasts http://bit.ly/1X6ykVX

Publicado por Entertainment Weekly em Segunda, 7 de março de 2016

 

A escritora J.K. Rowling começou a divulgar nessa última terça (08) a série de quatro contos da História da Magia na América do Norte que explica o princípio da magia na América no século XIV-XVII.

No dia 08 de março a escritora liberou o primeiro conto intitulado como Século XIV-Século XVII e hoje (09) foi liberado a segunda parte do conto intitulado como Século XVII em diante. Até sexta (11) está previsto para serem liberados mais dois contos: A Lei de Rappaport e Feitiçaria na América dos Anos 1920.

Se quiser acompanhar e fazer a leitura completa dos contos eles estão sendo divulgados no site Pottermore.

pottermore_jkimage002_230611

Abaixo, o primeiro texto liberado pela autora:

História da Magia na América do Norte

Século XIV – Século XVII

By J.K. Rowling

Embora chamada de “Novo Mundo” pelos exploradores europeus que chegaram ao continente pela primeira vez, os bruxos já sabiam da existência da América muito antes dos trouxas (Nota: cada nacionalidade tem seu próprio termo equivalente a “trouxa”; a comunidade norte-americana usa a gíria “No-Maj”, ou não-maj, uma contração de “não mágico”). Os vários meios de viagem mágica, entre elas as vassouras e a aparatação, sem falar nas visões e premonições, demonstram que mesmo comunidades bruxas distantes estavam em contato entre si desde a Idade Média.

As comunidades mágicas indígenas da América do Norte e as da Europa e da África já sabiam da existência uma da outra muito antes da imigração dos não-majs europeus, no século XVII e já estavam cientes das várias semelhanças existentes entre suas comunidades. Algumas famílias eram obviamente “mágicas”, e a magia também aparecia inesperadamente em famílias que até então não possuíam qualquer ascendência bruxa conhecida. A proporção entre bruxos e não-bruxos parecia consistente nas populações em geral, assim como as atitudes dos não-majs, onde quer que tivessem nascido. Nas comunidades indígenas norte-americanas, alguns bruxos e bruxas eram aceitos e até enaltecidos em suas tribos, ganhando reputação como xamãs por seu poder de cura ou como caçadores exímios. Outros, no entanto, foram estigmatizados pelas crenças da tribo, em geral sob a alegação de estarem possuídos por espíritos maléficos.

A lenda indígena do “andarilho de peles” – uma bruxa ou um bruxo maligno, que pode se transformar no animal que desejar – tem fundamento em fatos. É uma lenda que cresceu em torno dos animagos indígenas, e os acusava de terem sacrificado parentes próximos para obter seus poderes de transformação. Na verdade, a maioria dos animagos assumia formas animais para escapar de perseguições ou caçar para suas tribos. Tais rumores depreciativos costumavam ser inventados por xamãs não-majs, que às vezes fingiam possuir poderes mágicos e temiam ser descobertos.

A comunidade bruxa indígena norte-americana era particularmente talentosa com magias envolvendo animais e plantas; suas poções, em especial, eram de uma sofisticação muito além do que se tinha conhecimento na Europa. A diferença mais notável entre a magia praticada pelos indígenas norte-americanos e os bruxos europeus estava na ausência da varinha.

A varinha mágica foi criada na Europa. Varinhas canalizam a magia para tornar seu efeito mais preciso e poderoso, embora seja de conhecimento geral que a marca dos grandes bruxos e bruxas é a capacidade de produzir magia de altíssima qualidade sem usar nenhuma varinha. Os animagos e criadores de poções indígenas foram a melhor demonstração de que fazer magia sem varinha é um feito de alta complexidade, pois feitiços e transfigurações são muito difíceis sem ela.

(tradução retirada do site http://www.burnbook.com.br/j-k-rowling-divulga-primeiro-conto-que-antecede-historia-de-harry-potter/)



© 2016, www.salaliteraria.com.br. Todos os direitos reservados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *