Vinte e Duas Cartas, de Renata S. Tourinho [RESENHA]

Título: Vinte e duas cartas

AutoraRenata S. Tourinho

Páginas: 380

Ano: 2018

Editora: Chiado

 

Sinopse

Após uma separação e algumas reviravoltas em sua vida, Tilda parte em uma viagem pela Europa na companhia de seu amigo Vincent para tentar decifrar um mistério de seu passado. Em sua busca, o enigma parece aumentar enquanto ela vive uma verdadeira viagem interior.
Junte-se a Tilda em um conto de fadas adulto, contemporâneo, bem-humorado e provocante. Siga sua jornada intensa e delicada, permeada por passagens históricas, leves fantasias, pequenas doses de ficção científica e…

“Encontre-o.”

Skoob | Compre: Site da Editora ou Site da autora

 

Resumo

Tilda é uma pintora, mãe e recém separada do marido. Quando era mais jovem conheceu um “pirata”, do qual, mesmo sem trocar uma única palavra, se tornou seu melhor amigo. Após viver anos na cidade de Rio Grande, novamente Tilda precisou se mudar. Ficou muito triste em ter que abandonar este amigo, que provavelmente jamais veria outra vez. Preste a se mudar ela foi até ele para se despedir e pela primeira vez seu amigo, que já tinha recebido o nome de Jorge por Tilda, se aproximou dela. Lhe entregou um presente, uma bússola com inscrições misteriosas e apenas lhe diz: “Encontre-o”.

Anos se passaram desde aquela despedida e sonhos cada vez mais estranhos atormentavam Tilda. Agora com os filhos mais crescidos ela decide buscar respostas sobre aquele estranho presente. Precisava encontrar Jorge novamente e principalmente encontrar o que seu amigo havia lhe pedido naquela despedida.

Para isso ela viaja para a Europa a fim de encontrar seu amigo Vincent e juntos começam uma busca pelo significado desse mistério. Vincent é um homem paciente e muito companheiro. Esteve sempre disposto a ajudar Tilda a solucionar aquele mistério e nunca duvidou sobre as coisas que falava. Desde o início é notável que Vincent e Tilda tem uma relação de companheirismo e carinho muito maior do que a amizade.

Quanto mais Tilda busca por respostas mais complexo parece ficar. Seus sonhos vão ficando cada vez mais ricos em detalhes e ela descobre que sua busca tem um significado muito maior do que ela imaginava.

Minhas Conclusões sobre Vinte e Duas Cartas

Não sei se vocês se lembram, mas já resenhamos outro livro da autora aqui, Mais Perto do Coração. De cunho mais infantil, porém com uma história envolvente até para adultos a autora acabou me cativando. Então, quando vi que tinha a oportunidade de resenhar Vinte e Duas Cartas não podia deixar essa oportunidade passar.

É possível notar que esse segundo livro carrega um amadurecimento muito grande da autora. A história está repleta de detalhes históricos, não só da Europa, onde se passa a maior parte da história, mas sobre o Brasil também. Esses contextos históricos dificultaram, no início, a minha leitura. Demorei um pouco para pegar o ritmo e me envolver com os personagens. Os parágrafos contendo informações históricas estendiam em meio aos acontecimentos cortando um pouco o fluxo de leitura. Porém, ter essas informações, ao mesmo tempo, enriqueceram muito a história.

Durante sua viajem Tilda conhece várias pessoas que tentam ajudá-la. São personagens simpáticos e cativantes com personalidades bem construídas, e isso pode ser percebido mesmo que apareçam em poucas páginas. Tilda é uma personagem que levantava tantos questionamentos em busca de suas respostas, que é impossível não acabar fazendo as mesmas perguntas a si mesmo.

Cada início de capítulo é ilustrado, pela autora, com desenhos misteriosos que de alguma forma estão envolvidos com o capítulo. Porém é completamente imprevisível e somente próximo ao final do livro me dei conta do que eram esses desenhos como um todo. Eu não tinha um conhecimento prévio sobre eles, então para mim foi uma surpresa, mas é provável que não seja para todo leitor. Claro, não posso revelar, pois acredito ser de muita importância para o livro, como uma forma de acrescentar mais detalhes a esse mistério.

E falando nele [mistério], temos poucos detalhes sobre o que se trata. Acabamos descobrimos sobre esse mistério da bússola junto com a personagem. Quanto mais a história avança mais detalhes são incluídos e ainda mais estranho fica.

A autora conseguiu misturar história, religião, física e astrologia tudo em um lugar só e isso tornou a história ainda mais rica e preciosa. Com porções de “viagens no tempo” somos transportados para momentos históricos que ajudam a dar corpo à história. O cenário europeu já ajuda bastante nesse ponto, onde cada cidade em que Tilda passa carrega sua própria história.

O desfecho pode parecer clichê, mas a autora soube dar uma cara nova para ele, com atitudes comuns da personagem. Durante o livro pensei em vários desfechos possíveis para essa história, porém o que nos é entregue pela autora foi muito melhor do que qualquer coisa que pude pensar.

A lombada e capa do livro são simples, porém com muito significado para a história (adoro!). As ilustrações são sempre carregadas de detalhes que sempre me faziam prestar muito mais atenção ao texto, buscando identificar qual a relação entre eles. O livro tem folhas amarelas, as letras estão em tamanho e espaçamento perfeito para a leitura e as margens suficientes para proporcionar uma leitura mais confortável. O livro também apresenta orelhas com uma descrição da autora.

Com essa segunda leitura de uma obra da autora, pude comprovar que a Renata carrega em suas histórias sempre uma mensagem linda para os seus leitores. Finalizei o livro tocada com o desfecho, mesmo ele sendo clichê. Acredito muito que todo livro acrescenta um peso na nossa bagagem nesse mundo. Vinte e Duas Cartas despeja reflexões profundas, porém de um jeito leve e que fluem bem como a correnteza de um rio (é somente nisso que consigo pensar para comparar).

Amei o livro. Uma leitura leve, contagiante e um mistério que coloca aquela pulguinha atrás da orelha. Porém, a nota para ele é quatro, pois mesmo me contagiando o início foi bem difícil de desenvolver. Mas como leitora, prefiro o meio e o fim da história mais envolventes do que o início. Se você estiver começando ou pensando em começar a ler Vinte e Duas Cartas, mantenha-se firme no início, pois lhe garanto que o restante do livro é encantador.

Nota: 4/5

Participe!

Espero que tenha gostado da resenha. Se gostou do livro e quer conhecê-lo melhor, você pode adquirir nos links abaixo da sinopse. Se quiser outras resenhas deixe aqui nos comentários e quem sabe não é a sua sugestão a próxima a ser resenhada? Se você já leu Vinte e Duas Cartas deixe aqui nos comentários a sua opinião. Destaque algo que você gostou ou não e compartilhe com a gente a sua opinião.

Não se esqueça de conferir a nossa última resenha do livro O Fio do Bisturi, de Tess Gerritsen.

Um abraço e até o próximo post. 😉

Escrito por: Taísa Ferreira Dias

© 2018, www.salaliteraria.com.br. Todos os direitos reservados.

2 thoughts on “Vinte e Duas Cartas, de Renata S. Tourinho [RESENHA]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *