O Vilarejo, de Raphael Montes [RESENHA]

Título: O Vilarejo

Autor: Raphael Montes

Páginas: 109

Ano: 2015

Editora: Suma de Letras

 

Sinopse

vilarejoEm 1589, o padre e demonologista Peter Binsfeld fez a ligação de cada um dos pecados capitais a um demônio, supostamente responsável por invocar o mal nas pessoas. É a partir daí que Raphael Montes cria sete histórias situadas em um vilarejo isolado, apresentando a lenta degradação dos moradores do lugar, e pouco a pouco o próprio vilarejo vai sendo dizimado, maculado pela neve e pela fome.

As histórias podem ser lidas em qualquer ordem, sem prejuízo de sua compreensão, mas se relacionam de maneira complexa, de modo que ao término da leitura as narrativas convergem para uma única e surpreendente conclusão.

Skoob | Compre: Amazon | Americanas | Submarino

 

 

 

Minhas Conclusões Sobre O Vilarejo

A história do vilarejo, localizando em algum lugar na Europa, é contada através de contos escritos pelo padre, demonologista e teologo Peter Binsfeld. Cada conto está relacionado a um demônio que representa um pecado capital: Belzebu (gula), Leviathan (inveja) , Lúcifer (soberba), Asmodeus (luxúria), Belphegor (preguiça), Mammon (ganância) e Satan (ira).

Neste vilarejo pessoas estão morrendo, grande parte porque o frio e a fome tomaram o lugar, porém o pior vai muito além disso.

Apesar de ter ordenado os contos, o autor afirma, ainda no prefácio, que independente da ordem que ler os contos você chegará ao mesmo ponto. Particularmente acredito que apenas o último conto deve ser deixado por último, por motivos de finalização da leitura. Para aqueles que costumam pular o prefácio, quando este parece mais um comentário do autor do que parte da história, recomento que não faça isso. Leia! Vai ser muito interessante e vai fazer você ficar de boca aberta com o posfácio. É sério, não deixe de ler nem o prefácio e nem o posfácio!

Fonte: Suma de Letras

Mesmo os contos sendo lidos separadamente, eles possuem personagens que inteligam uma história na outra, afinal o vilarejo é muito pequeno e todos se conhecem. Cada pecado é muito bem trabalhado com cenas que não medem o terror e o horror. Para quem tem o estômago mais fraco ou não está habituado a este tipo de leitura, não tenha pressa, lei mais devagar. Para quem tem o estômago forte, este livro será um prato cheio e não deixará a desejar.

Ao longo das páginas há ilustrações de cada conto, que retratam muito bem o cenário sombrio e terrível do vilarejo. Além disso trás manchas de sangue respingadas nas páginas, causando ainda mais arrepios em relação às histórias e tornando o livro ainda mais interessante.

Vou resumir cada conto abaixo. Se não quiser um pouco de spoiler (prometo não contar mais do que o suficiente), então desça mais um pouco a página.

Belzebu – Banquete para Anatole

Anatole é pai de três filhos e casado com Felika. Vendo que sua família irá morrer de fome, ele decide enfrentar o frio da floresta para caçar e trazer comida para eles. Enquanto seu marido está fora caçando, Felika precisa cuidar de seus filhos e impedir que morram de fome antes que Anatole volte. Regrando a comida e se isolando das pessoas do vilarejo e mesmo com sua vizinha, sra. Helga, batendo à porta alegando que alguém está matando as pessoas do vilarejo, ela se nega a sair de casa, imaginando que a senhora apenas quer da sua comida. Não irá passar fome até o marido chegar e não vai dividir sua comida com ninguém. 

Leviatan – As Irmãs Vália, Velma e Vonda

Fonte: Site Cootural

Velma e Vonda são irmãs gêmeas enquanto Vália é a irmã mais velha, que namora Krieger, um jovem ferreiro e um ótimo partido. Todos os domingos as três irmãs vão ao descampado para que possam brincar com Jekaterina, amiga de Vália.

Enquanto brincam, elas inventam histórias sobre as pessoas do vilarejo e quando chega a vez da história inventada sobre Krieger, Vonda fantasia um romance com o namorado da irmã. Mas essa história alcançará as mais extremas e sombrias consequências.

Lúcifer – O Negro Caolho

Por ser pequeno, o vilarejo quase nunca recebia forasteiros, mas em um dia um homem, negro, com dentes tortos manchados de sangue e sem um olho apareceu. Logo as pessoas do vilarejo se assustaram com aquela figura e Ivan, o ferreiro, se prontificou a pegar aquele homem e dar um fim nele. Porém, o forasteiro foi protegido pela sra. Helga e levado para a casa dela onde lhe ensinava um pouco do língua local e do trabalho doméstico. Mas o forasteiro tinha um passado e instigada pela soberba, a sra. Helga começou a tratá-lo muito mal. Mal sabia ela que estava cavando o seu próprio túmulo.

Asmodeus – A Doce Jekaterina

Mikhail pensa apenas em aproveitar a vida repleta de luxúria. Passava noite e dia enfiado em lugares onde seus desejos poderiam ser saciados.

Ao retornar para a casa de seus pais no vilarejo, Mikhail notou a presença de Jekaterina, que sempre ia ao descampado nos domingos passear com suas amigas. Um dia, enquanto Jekaterina voltava para casa, Mikhail a captura e se aproveita da garota para realizar todos os seus desejos. Isso continuou a acontecer por muito tempo, pois Jekaterina temia as ameaças de morte de Mikhail. Após a morte de seu pai Jekaterina se mudou para a cidade e somente anos depois Mikhail voltou a vê-la. Mal sabia ele que Jekaterina jamais havia esquecido o passado e agora ele iria pagar.

Belphegor – A Verdadeira História de Ivan, O Ferreiro

Ivan era um ferreiro muito respeitado e extremamente admirado pelas pessoas do vilarejo. Mas por trás do homem trabalhador havia um segredo sobre seu trabalho, que na verdade não era ele quem o realizava. Pouco tempo depois que seu pai morreu, Ivan comprou de um forasteiro, duas garotas negras. Prendeu as duas meninas em uma jaula no porão da cada e as obrigava a trabalhar para ele. Enquanto isso ele se aproveitava da mordomia que as duas lhe proporcionava. Ele estava mais do que satisfeito com aquela situação. Mas o que ele não contava era que, depois de tanto tempo, o pai das meninas havia encontrado o cativeiro de suas filhas e estava determinado a recuperá-las.

Mammon – O Porquinho de Porcelana da Sra. Branka

Assim que nasceu, Latasha perdeu a mãe e por isso cresceu com a avó, a Sra. Branka. Apesar das dificuldades e da idade já avançada, nunca deixou nada faltar para sua neta. Para fazer o controle financeiro, a Sra. Branka decidiu deixar tudo na mão de um bom contador, que não lhe cobra nada pelo serviço.

Quando Latasha completou 10 ano de idade o contador visitou sua avó para falar sobre suas economias. Latasha crescia e requeria cada vez mais recursos ($$$), segundo o contador, que  sugeriu que a Sra. Branka começasse a cortar gastos. Estes cortes incluíam a alimentação da neta, os estudos e que a colocasse para trabalhar cortando a lenha. Para incentivar a Sra. Branka em sua economia, o “bom” contador lhe deu um porco de porcelana onde ela poderia depositar todas as moeda ali e pudesse recorrer a ele quando passasse por algum momento difícil.

Os dias de Latasha se tornaram penosos, cansativos e cada vez mais escassos de comida e sua vó se tornava mais obcecada em guardar dinheiro. Mas o destinho ainda lhes reservava muitas surpresas e nenhum dinheiro no mundo seria capaz de salvá-las.

Satan – Um Homem de Muitos Nomes

Anatole já estava há mais de 2 meses fora de casa e não conseguiu caçar um animal sequer. Já conseguia ver sua morte se aproximando e imaginava que não encontraria seus filhos e sua amada Felika vivos. Tentando aquecer suas mãos em uma fogueira, percebeu que um velho se aproximava. Este lhe ofereceu um pão e vinho para que pudesse se alimentar, deixando Anatole surpreso, mas que não nega a bondade daquele senhor.

Sua surpresa foi ainda maior quando este mesmo velho lhe ofereceu sua caça, para que Anatole pudesse retornar para casa e salvar sua família da fome. Muito agradecido e movido pela felicidade de voltar com comida para casa, em poucos dias Anatole chega em casa, muito bem recebido por sua esposa, que estranhamente parece mais gorda do que quando ele saiu para a caça.

Mas seus olhos não podiam crer no que estava bem à sua frente. Seu mundo caiu.

 

Fim dos spoilers!

Os contos trazem várias reflexões sobre a maldade que, infelizmente está presente no mundo desde sempre. Mesmo com poucas páginas, os contos trazem cenas bem descritas e diálogos reais.

Já faz um bom tempo que não leio livros de terror e O Vilarejo foi um livro que iniciei minha leitura há pouco mais de um ano, mas não continuei. Agora, com o mês do terror, pensei que seria o momento certo para finalizar a leitura.

 

Participe!

Espero que tenha gostado da resenha. Se gostou do livro e quer conhecê-lo melhor, você pode adquirir nos links abaixo da sinopse. Deixe nos comentários a sua opinião e contribua com crescimento do blog, agregando sua visão sobre a história.

Livros precisam ser lidos, relidos e discutidos.

Aproveite e assine o nosso BOLETIM, localizado na lateral do site e fique por dentro das novidades aqui do blog. Não se esqueça de conferir a nossa resenha Meu Deus, mas que cidade linda, de Rodolfo Melo.

Um abraço e até o próximo post. 😉

 

Escrito por: Taísa Ferreira Dias

© 2017, www.salaliteraria.com.br. Todos os direitos reservados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *