A Garota Dinamarquesa, David Ebershoff [RESENHA]

Título: A Garota Dinamarquesa

Autor: David Ebershoff

Páginas: 368

Ano: 2016

Editora: Fábrica 231

 

Sinopse

Um simples favor que a esposa pede ao marido numa tarde fria, enquanto os dois pintam no ateliê. A modelo que vem posando para ela cancelou a sessão; ele se importaria de colocar as meias e os sapatos da moça, por alguns instantes, para que ela possa terminar o resto do retrato? “Claro”, diz ele.”O que você quiser.” Assim começa uma das mais passionais e incomuns histórias de amor do século XX.
Inspirado na história real do pintor dinamarquês Einar Wegener e sua esposa californiana, este delicado retrato de um casamento nos desafia a refletir o que fazer quando alguém que amamos quer mudar. Einar passa a se vestir cada vez mais como Lili – uma espécie de alter ego feminino –, por quem Greta se vê estranhamente atraída, e à medida que Einar desaparece na lembrança, eles percebem que uma escolha terá de ser feita: Lili ou Einar.
Tendo como pano de fundo o glamour e a decadência da Europa da década de 1920, A garota dinamarquesa retrata a quase esquecida história de amor entre um homem que descobre sua verdadeira sexualidade e uma mulher disposta a sacrificar tudo por ele.
Romance de estreia de David Ebershoff, A garota dinamarquesa ganhou o Prêmio Literário Lambda de 2000 na categoria de ficção transgênero, e foi transformado em um grande filme estrelado pelo já vencedor do Oscar, Eddie Redmayne.

Skoob | Submarino | Americanas | Amazon (Físico) | Amazon (Digital)

 

Resumo

Einar Wegener é um famoso pintor na dinamarca no início do século XX. Na faculdade Einar conhece Greta Waud. A paixão entre eles surgiu lentamente e somete após o retorno de Greta da Califórnia eles finalmente se casam. Mesmo sendo unidos o casamento não é tão intímo.

Greta também é pintora, porém, suas criações não fazem tanto sucesso quanto as de Einar. Em uma de suas pinturas, Greta pede a Einar que se vista com o vestido de uma de suas modelos para que possa terminar seu trabalho. Se vendo dentro do vestido Einar começa a redescobrir a sensação de ser mulher. Ao ver seu marido vestido de mulher, Greta dá a Einar o nome de Lili.

É justamente pintando Lili que Greta começa a reconhecida por suas artes. Mas com o passar do tempo, seu marido frequentemente se veste de Lili, sem nem mesmo Greta precisar pintá-la.

Einar lentamente deixa que Lili se liberte e passa a se questionar sobre si mesmo. Será que Einar, mesmo casado e amando Greta, deseja, na verdade ser mulher?

 

Minhas Conclusões sobre A Garota Dinamarquesa

Baseado na história de Einar Magnus Andreas Wegener, provavelmente a primeira transexual e personagem importante para o movimento, o autor traz uma história-ficção de vida.

Alguns personagens receberam novos nomes, outros foram inseridos, cenas foram aproveitas da biografia de Lili Elbe e outras cenas e personagens  foram criadas, como o próprio autor comenta em uma entrevista no final do livro.

Com cenas detalhadamente descritas, mais do que haviam diálogos, o autor nos transporta para 1925, onde ser fora do padrão da sociedade, era completamente rejeitado e tratado como loucura. Apesar de ser essencial uma descrição dos sentimentos e pensamentos de Einar, em alguns momentos o autor se prende muito à descrição do espaço, no presente ou no passado, que acaba nos fazendo perder o foco da cena.

Greta é uma personagem forte e inspiradora. Mesmo sendo difícil ver seu marido desejando ser mulher, e consequentemente a deixando, ela o apoia em praticamente todo o momento de transição. É possível notar que o amor dessa personagem vai muito além de físico ou o esperado pela sociedade da época. 

Apesar de Greta ser essa personagem tão inspiradora, em parte nos faz acreditar que também era egoísta e seu objetivo em ajudar Lili é fortemente incentivado pelo sucesso que suas obras faziam.

Quanto aos demais personagens e suas visões sobre a conclusão do desejo de Einar, senti um pouco forçado. Todos reagiram muito bem à decisão do personagem. Se tratando da época não acredito que tantos personagens tenham reagido tão bem. No caso de Greta é possível compreender que seu afeto e convivência íntima com Einar leve-a a tomar a decisão de apoiá-lo, mas será que o irmão de Greta e o amigo de infância de Hans reagiriam tão bem?

O foco do autor, como ele mesmo cita na entrevista no final do livro (que a propósito adiciona muito a leitura), é expor a visão e os sentimentos de Lili sobre sua transição. É possível sentir sua força e determinação para alcançar o que mais deseja, mesmo que isso lhe custe a vida.

É uma história triste e ao mesmo tempo inspiradora. Lili traz uma grande lição para todo, mostrando que devemos lutar por quem somos e pelo que mais desejamos.

 

Participe!

Espero que tenha gostado da resenha. E se gostou do livro e quer conhecê-lo melhor, você pode adquirir no link abaixo da sinopse. Comprando pelo link você ajuda o blog a continuar e assim podemos trazer mais resenhas para vocês.

Não se esqueça de conferir a nossa última resenha do livro Meu Vizinho Indiscreto, de Luísa Aranha e Mari Monni.

Um abraço e até o próximo post. 😉

Escrito por: Taísa Ferreira Dias

 

© 2018, www.salaliteraria.com.br. Todos os direitos reservados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *